Cinco músicas para gostar do Chico Buarque

Chico Buarque melhores músicas

Hoje vim falar sobre o músico que mais ouvi na vida, pois esteve presente em todas as minhas fases, desde quando eu achava linda “Lua vai” até só ouvir Rádio Batuta! Minha mãe tinha todos os discos até o homônimo de 1984, pelo que me lembro, então a música e a voz dele sempre soaram muito familiares para mim.

coleção completa de dvds chico buarque
Minha caixa linda da coleção muito especial com 13 DVDs: quarenta anos de história em entrevistas, clipes, shows e muito mais!

São centenas de músicas sensacionais, a discografia é muito extensa. Tive que usar algum critério para as cinco e explico mais abaixo. 😉

  1. Roda Viva

Para mim, “Roda Viva” é a música mais sensacional do Chico Buarque 🙂 Estaria na lista de qualquer forma, mas entrou na cota “músicas de festivais”/”músicas contra a ditadura (ou não)”. Acho demais como a melodia e a letra se complementam, pois a música vem em uma espiral mesmo, como se fosse uma roda se aproximando. Dentro do contexto, nossa primeira interpretação é que a “roda viva” que não para de tolher os sonhos e as aspirações das pessoas seria a censura e o governo da época, porém, segundo o próprio autor, o alvo dos versos é a indústria cultural. Hmm… (Fonte)

2. Eu te amo

Essa música linda demais representa o grupo “músicas de amor/músicas com visão feminina”. Os fãs do Chico Buarque adoram dizer que ouvem seu ídolo desde criancinha, como eu mesma fiz ao início deste post! Rs … mas tudo tem seu tempo. Muito nova eu ouvia músicas como “Olhos nos Olhos”, “Retrato em Branco e Preto” e “Atrás da Porta”, e ficava chorando no meu cantinho. Talvez eu fosse mais feliz quando ouvia “Me leva que o futuro nos espera” hehe Apesar de essa música ser em dueto com a Telma Costa, acredito que ela tenha muito dessa visão feminina do amor abandonado, de alguém que se sente parte de outra pessoa e não consegue mais reconhecer quais são suas partes entre tantas outras entremeadas por um amor que não existe mais.

3. Construção

Acredito que “Construção” estaria em qualquer outra lista de melhores músicas do Chico Buarque e da MPB em geral. As últimas palavras dos versos são proparoxítonas e parecem dar o toque de repetição industrial, de se fazer sempre a mesma coisa, do mesmo jeito, como máquina. E quando o operário morre é apenas a máquina que para e “atrapalha” o sábado, o público, o tráfego. Esses dois aspectos são muito relevantes: o modo como o compositor alia a melodia à letra, que é genial, e a voz dada aos que não a têm.

4. Até o fim

Acho que essa é a música mais “desencontrada” da lista! Deveria haver uma cota “Musicais” aqui, mas as minhas preferidas são as parcerias com o Edu Lobo e, para mim, elas têm mais a cara do Edu do que do Chico, por isso ficam para outro dia. Essa veio na cota “Amo muito, não deu para deixar de fora”, tudo bem? 🙂

A partir do poema do Carlos Drummond de Andrade (Quando nasci, um anjo torto/
desses que vivem na sombra/ disse: Vai, Carlos! ser
gauche na vida), Chico fez essa letra sensacional, que está na trilha do filme da minha vida:

Quando nasci veio um anjo safado
O chato dum querubim
E decretou que eu tava predestinado
A ser errado assim
Já de saída a minha estrada entortou
Mas vou até o fim

É uma brincadeira, mas às vezes a gente sente que está tudo errado desde o começo, né? Rs Ok, vamos até o fim!

5. Paratodos

“Paratodos” é como uma declaração de missão e uma celebração à diversidade das raízes familiares e musicais do povo brasileiro e do próprio Chico Buarque:

O meu pai era paulista
Meu avô, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano
Meu maestro soberano
Foi Antonio Brasileiro

Além do maestro soberano Tom Jobim, são citados Dorival Caymmi, Jackson do Pandeiro, Ari Barroso, Vinícius de Morais, Nelson Cavaquinho, Luiz Gonzaga, Pixinguinha, Noel Rosa, Cartola, Orestes Barbosa, Caetano Veloso, João Gilberto, Erasmo Carlos, Jorge Ben Jor, Roberto Carlos, Gilberto Gil, Hermeto Pascoal, Edu Lobo, Milton Nascimento (“Bituca”), Nara Leão, Gal Costa, Maria Bethânia, Rita Lee e Clara Nunes.

A canção termina com a expressão “evoé, jovens à vista”, saudando as novas gerações que compartilham dessa missão que é ser um “artista brasileiro”. 😉

Muitas músicas lindas ficaram de fora, parcerias especiais e históricas. Para me redimir, preparei algo a mais:

Dez curiosidades da vida de Chico Buarque:

 1. Antes da fama e ainda muito jovem, Chico apareceu pela primeira vez nos jornais ao ser preso após arrombar um carro para passear com um amigo. A foto feita na delegacia estampou o disco “Paratodos”, muitos anos depois:

chico buarque paratodos capa foto

2. Em 1963, começou a estudar arquitetura na USP, mas deixou o curso em 1965, tendo afirmado que era o “pior aluno da sala“.

3. Antes disso, escreveu sua primeira música, “Canção dos Olhos”, aos 15 anos e, na época, disse que seu sonho era “cantar como João Gilberto, fazer música como Tom Jobim e letra como Vinícius de Moraes”. (Fonte)

4. Talvez ele tenha realizado esse sonho de alguma forma por meio das parcerias. Além de Vinícius e Tom Jobim, a lista é grande: Caetano Veloso, Milton Nascimento, Toquinho, Francis Hime, Domiguinhos, entre outros. Edu Lobo detém o recorde de coautorias, devido à composição de diversos musicais. (Fonte)

vinicius tom jobim chico buarque
Fonte

5. Conheceu Vinícius ainda criança. O poeta costumava visitar Sérgio Buarque de Holanda, pai de Chico e importante historiador, crítico literário e jornalista, além de um dos fundadores do PT. (Fonte)

6. Algumas pessoas ainda implicam com a voz do Chico… A saída pode ser ouvir as centenas de versões de outros intérpretes. “Gente Humilde”, “Anos Dourados” e “Retrato em Branco e Preto” são as mais regravadas. (Fonte)

7. Chico Buarque tem um time de futebol, o “Politheama”, e deve ter sido MUITO engraçado o episódio em que o Bob Marley jogou futebol no Brasil com ele, Toquinho e Alceu Valença!

Chico buarque bob marley futebol
Foto

8. Escreveu nove livros, entre eles, o infantil “Chapeuzinho Amarelo”, e seu maior sucesso comercial, “Budapeste”, que vendeu 285 mil exemplares em mais de trinta países. ( Fonte)

livros Chico Buarque Budapeste chapeuzinho
Li duas vezes Budapeste, assisti ao filme e mesmo assim não curti muito…

9. Já fez black face e o Gilberto Gil, “white face”, para apresentar a música “A mão da limpeza”, que revela como a mão escrava ou mesmo livre dos negros por anos limpou a sujeira dos brancos, não o contrário, como sugerem certas piadas. (Fonte)

chico buarque gilberto gil black face

10. Uma de suas três filhas com Marieta Severo, Helena, foi casada com Carlinhos Brown, com quem teve três filhos, entre eles, “Chiquinho Brown”, que toca heavy metal!

chico brown neto heavy metal
Informação de 2013, algo pode ter mudado! Foto

Beijos e muito obrigada por todo apoio esta semana, vocês são as melhores pessoas!!

Val

Anúncios

30 comentários em “Cinco músicas para gostar do Chico Buarque

Adicione o seu

    1. Oi, Ana! Acabei de vir do seu post e adorei tudo, a crônica é demais!! Amei a música que você escolheu! É difícil citar uma só ou poucas, né? Sua estratégia das menos conhecidas deu certo 😉 beijos!!

      Curtido por 1 pessoa

    1. Adoro João e Maria!! Minha favorita muda de época em época. A que acho mais sensacional é Roda viva, mas são tantos Chicos q da pra ter uma favorita a cada ano 😉 beijos e obrigada!!

      Curtido por 1 pessoa

  1. Vai, seus posts sobre música são tão ricos que me dá vontade de ouvir tudo mesmo!
    E olha que o Chico é algo muito visto e ouvido no curso de Letras, mas a paixão com que você fala no post me faz querer ouvir.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Como sempre um ótimo post sobre música.
    A genialidade das músicas Roda Viva e Construção é impressionante. A princípio músicas despretensiosas mas que carregam uma clara crítica à ditadura militar: a primeira remete ao próprio governo militar, basta atentar que a roda viva leva tudo: destino, roseira, viola, etc.
    Já Construção remete a um caso de morte contata através de três diferentes história, bem ao modo como o governo militar fazia com a morte de presos políticos.
    Também gosto de “Cotidiano”, que também tem um viés de crítica: pois a alusão à esposa nada mais é do que uma alusão à repressão da polícia.
    Excelente texto.
    Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Legal, Gabriel! Adorei suas observações, muito enriquecedoras. Tb adoro Cotidiano e nunca tinha visto por esse lado, interessante! Muito obrigada pela visita e pelo comentário. Até mais!

      Curtido por 1 pessoa

  3. Boa, de novo, Val! Eu ouço Chico desde criança, uma das três primeiras músicas que lembro de ter gostado na vida é “A Banda” – as outras são “O Calhambeque” com o Roberto Carlos e “Help” dos Beatles – Gosto tanto do Chico que até dei um jeito (ou dois) de escrever sobre ele num blog de rock.

    Curtido por 1 pessoa

    1. A voz dele é muito familiar para mim, não sei como é para alguém ouvir de primeira. Mas é algo a se superar, pq Bob Dylan, Leonard Cohen, Tom Waits estão aí tb! hehe

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: